Componentes Virtuais – SolidWorks 2010

Senhores,

Quero continuar falando de SolidWorks 2010. A ideia hoje é focar em componentes virtuais, novidade inserida no SolidWorks 2008 mas que a cada ano vem sofrendo novidades interessantes.

Mas afinal para que serve componente virtual? A quem ele se aplica?

Componente virtual resgatou algo que a AutoDesk desenvolvia no Mechanical Desktop, a possibilidade de criar arquivos de conjuntos sem a necessidade de existiram arquivos das peças. Essa funcionalidade no SolidWorks nos trouxe algumas possibilidades muito interessantes:

  • Detalhar itens que necessitam serem inseridos em listas de materiais mas não possuem geometria tridimensional como tinta, software ou graxa
  • Criar peças exclusivas a montagem de um determinado equipamento.
  • Facilitar a vida de quem utilza modelagem em contexto
  • Criar blocos de layout e testar as respectivas peças sem a necessidade de salvar os componentes.

Essa funcionalidade foi tão bem assimilada pelo SolidWorks que na versão 2009, os componentes de routing passaram a serem inseridos como componentes virtuais. Imaginem que em versões antigas do produto, cada segmento de tubulação gerava um arquivo de peça… Isso parecia o fim do mundo mas se resolveu parcialmente, disse claramente que foi parcialmente, ok?

Vou colocar aqui os meus exemplos preferidos de modelagem em contexto em que eu utilizo componentes virtuais, modelagem em contexto de montagens. Meu tipo preferido de modelagem em contexto é a que é baseada em um esboço de layout como o descrito abaixo

image

Com isso, todas as peças para esta montagem foram orientadas por este conjunto conforme poderemos constatar na representação da árvore na imagem de conjunto que aqui está apresentada.

image

Observem que todas as peças possuem a indicação de modelagem em contexto. Com isso essas peças jamais poderão serem utilizadas em uma outra montagem pois elas estão vinculadas ao arquivo da montagem onde os arquivos foram gerados. Portanto, a aplicação de componentes virtuais acaba sendo uma certeza na correta aplicação de modelagem em contexto. Uma vez que routing é pura modelagem em contexto, a utilzação dele associada a componentes virtuais casa perfeitamente. Parabéns SolidWorks.

Tah, mas existiam problemas na aplicação de componentes virtuais que na minha humilde opinião eram vexatórios:

  • Componentes virtuais não podiam ser inseridos em arquivos de desenho. Eles, obrigatoriamente, tinham de ser salvos em arquivos separados das montagens para serem detalhados. Isso era uma vergonha.
  • Uma vez que os componentes virtuais possuíam relações em contexto com a montagem, a montagem não podia ser renomeada pois os arquivos de peça acabavam perdendo as relações. Isso era uma limitação tremenda.

Com essa útltima limitação, nada podia ser feito… Nada funcionava para reaproveitamento de arquivos. As peças ficavam atreladas ao nome do arquivo original e não tinha santo, reza ou macumba que resolvesse o problema. Isso me inibiu muitas vezes de apresentar a a aplicação de componentes virtuais. Eu explicava que para mudar o nome da montagem o cliente tinha de salvas as peças em arquivos externos… Chato, né?

Ok, fiquem tranquilos que com as novidades do SolidWorks 2010 os problemas descritos acima acabam sendo completamente resolvidos e ainda contamos com a possibilidade de gerenciarmos montagens com componentes virtuais no Workgroup PDM.

A SolidWorks trabalhou e aparentemente não existem mais limitações para a aplicação de componentes virtuais. Eu ainda não conferi se o DriveWorksXpress conta com suporte a esta funcionalidade… Sei que no SolidWorks 2009 era impossível disto ser aplicado.

Senhores,

Me coloco a disposição para eventuais esclarecimentos.

Sds,
Kastner